Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hela | Moda e tendências

Um olhar diferente sobre a moda. ✨ Aqui falamos de moda, tendências, opiniões e muito mais.

16
Mai19

Onde surge a tua inspiração?

Tita Vicente

Sempre me perguntei duas coisas: como e onde surge a inspiração. A minha surge nos sítios e nas alturas mais inesperadas. Tanto pode ser numa viagem de avião, na cama enquanto oiço música ou num local qualquer por onde estou a passar. Tento sempre apontar as ideias que me vão surgindo numa nota do telemóvel, mesmo que não escreva logo o texto, a nota fica ali, para mais tarde rever ou começar.

E a vossa inspiração onde surge?

 

558afe742809557fee53548cea1776f5.jpg

Imagem retirada do Pinterest

14
Mai19

Uma parede de amor e arte

Tita Vicente

Mudei, recentemente, o meu quarto. Desde que me mudei para Lisboa que comecei a construir um mural com pinturas, postais e fotos que gosto ou de sítios que visito. Comprei praticamente tudo a pintores/artistas que estão a vender as suas obras na rua. Valorizo muito o trabalho destas pessoas e esta é a minha maneira de os apoiar.

Tenho muito orgulho na minha (pequena) parede que é para mim o meu pedaço de arte, a minha visão matinal diária, aquela força extra que preciso nos dias maus porque cada pedaço de papel conta uma história, relembra-me um dia, uma cidade, um momento.

Gosto muito da minha parede, já deu para reparar?

 

WeChat Image_20190514100741.jpg

Imagem da minha autoria

09
Mai19

Pausas longas antes de (re)começar

Tita Vicente

Ao contrário do que é habitual desta vez decidi não escrever um texto inicial para "arrancar" com o blog. Sinto que foi só um recomeço de um período de férias longo, mais longo do que eu esperava na verdade. Parei de escrever porque estava a sentir uma pressão interior de que tinha de publicar cada vez mais conteúdo, mesmo que por vezes duvidasse do produto final. Decidi parar, afastar-me, refletir e mudar o que queria mudar. Sabia que existiam três coisas que iriam ter de ser alteradas.

O nome. Sempre tive um problema em identificar-me com os nomes que dou aos meus projetos. Adoro ao início, mas rapidamente me "canso" ou deixo de me conseguir rever na minha escolha. Foi difícil chegar ao novo nome. Achei muitas vezes que tinha de forçar a ideia, mas em conversa com uma amiga percebi que não o poderia fazer, tal como ela disse "isso é uma coisa que tem de sair naturalmente" e tinha razão. A ideia surgiu da forma mais simples possível: da biografia do meu instagram pessoal. "Goddess of my own hell", foi uma frase que encontrei há alguns anos no Pinterest e que me marcou sempre. Decidi pesquisar o nome da Deusa do Inferno e rapidamente percebi que o nome dela seria o ideal para mim: Hela. Simples, elegante e com aquele toque de mistério que eu tanto queria conotar no nome do meu projeto.

O designMudei, obviamente, o design. Clean, sem muitos adereços e a preto e branco, as minhas cores preferidas.

O conteúdo. O meu blog sempre teve uma vertente muito pessoal, quase como um pequeno diário online, algo que queria muito mudar. Claro que pretendo continuar a escrever sobre mim e sobre o que me acontece, mas queria começar a escrever também sobre temas que gosto. Quero voltar com algumas rubricas que tinha e criar novas.

Espero, sinceramente, que este seja um recomeço bonito de um projeto que eu gosto tanto. A vontade de ficar por aqui durante muitos anos, para já, é enorme. Sem promessas. Sem compromissos. Que seja o início de algo bom e duradouro Hela.

 

Hela.png

Desgin criado por mim

 

07
Mai19

Esta é A gala.

Tita Vicente

Met Gala é, para mim, a gala do ano. Não existe passadeira vermelha (ou de outra cor qualquer) que eu goste mais de ver. É a única passerelle que todos os anos fico ansiosa para ver o que cada um faz com o tema escolhido pela Vogue. Este ano surpreendeu pela positiva desde a escolha do tema à interpretação dada por cada famoso. 
Camp foi o tema escolhido e para quem não sabe é uma gíria de comportamento, de atitude, é uma interpretação exagerada, artificial e teatral. Apesar de este estilo ser da década de 60 foi entre as décadas de 70 e 80 que atingiu o seu auge. Amada e popularizada por cineastas e drag queens, a cultura camp ficou associada à defesa académica da cultura popular. Hoje em dia é algo que se tem visto nas passerelles das mais variadas casas de moda e marcado, especialmente, no desfile de alta costura primavera/verão 2019 de Vitkor e Rolf's.

 

1. O meu top 3

De todos os que passaram nesta bela carpete cor de rosa flamingo, Billy Porter, Gigi Hadid e Jared Letto foram os que mais se destacaram. A excentricidade, a escolha de cores, de acessórios, tudo. Foram sem dúvida os meus looks preferidos.

top 3-min.png

Imagens retiradas da Vogue, colagem criada por mim 

 

2. Os trapinhos que eu usava

Se algum dia for parar a uma passadeira vermelha era feliz com qualquer um deles.

euusaria-min.png

Imagens retiradas da Vogue, colagem criada por mim 

 

3. A Disney foi ao MET

Não sei se elas as três combinaram ou não, mas, claramente, pareciam as duas irmãs malvadas e a Cinderela. Adorei os três looks.

cinderela-min.png

Imagens retiradas da Vogue, colagem criada por mim 

 

4. Os homens não são sempre básicos

Quem disse que um homem é sempre básico numa red carpet? Toda a gente. Mas claro que estes três são uma excepção a esta regra.

mans-min.png

Imagens retiradas da Vogue, colagem criada por mim 

 

5. Os demais

Tal como disse, para mim, foi um dos melhores Met Gala dos últimos anos, o que mais me surpreendeu. Deixo aqui mais alguns looks que sinceramente adorei.

others-min.png

Imagens retiradas da Vogue, colagem criada por mim