Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hela | Moda e tendências

Um olhar diferente sobre a moda. ✨ Aqui falamos de moda, tendências, opiniões e muito mais.

22
Mai19

Um mês e um livro de 500 páginas

Tita Vicente

Se me contassem eu também não acreditava. Pois é, aqui a menina, que não é a maior fã de leituras, devorou um livro com mais de 500 páginas num mês. Acho que depois desta bati todos os meus recordes de leitura e acredito, vivamente, que irá ser difícil repetir esta proeza. 
"Everything i know about love" da recém escritora Dolly Alderton foi o livro que me deu esta pequena vitória pessoal. Bem sei que não é um Saramago ou coisa parecida, é um livro simples que conta a história e peripécias de vida de uma rapariga desde a sua adolescência até aos seus tempos de adulta. É um livro que dá gosto ler porque nos relembra da nossa própria infância/adolescência. Relembra-nos que em tempos existiram cassetes, discmans e do bom velho MSN messenger. Estas e tantas outras coisas, que para quem é dos anos 90 são verdadeiros tesouros
É um livro que apesar do tamanho se lê facilmente, pois a escrita da Dolly é bastante simples e fluida. Eu li o livro em inglês e não tive nenhum problema com o vocabulário. Não vou desvendar muito mais deixo-vos aqui a sinopse para os mais curiosos.

 

"SE PENSAVA QUE SABIA TUDO SOBRE O AMOR, PENSE OUTRA VEZ.

Quando se trata das provações e triunfos da jornada até à idade adulta, a jornalista e ex-colunista do Sunday Times, Dolly Alderton, já viu e experimentou de tudo.

Ela descreve-nos vividamente o processo por que passamos quando nos apaixonamos, a luta contra a autossabotagem, a procura de um emprego, o que é dar uma festa desastrosa cuja temática é o Rod Stewart, apanhar uma bebedeira, levar com os pés, perceber que o Ivan da loja da esquina é o único homem com o qual sempre pudemos contar, e descobrir que as nossas amigas estão sempre lá, no fim de cada noite de desgraça.

Este é um livro sobre encontros para esquecer, boas amigas e – acima de tudo – sobre sabermos reconhecer que somos suficientes. Dolly Alderton sobreviveu (à tangente) aos seus Vintes e, em "Tudo o Que Sei Sobre o Amor", apresenta-nos uma descrição impávida dos encontros catastróficos e dos apartamentos miseráveis, dos desgostos de amor e das humilhações e, o mais importante, das inquebráveis amizades femininas que a ajudaram a aguentar-se.

Cheio de humor, coração e perspicácia, este é um livro para dar a todas as mulheres que já passaram por lá ou que estão prestes a dar o primeiro passo rumo ao resto da sua vida."

Texto retirado de fnac.pt

 

7e5550b32f54c00dfc0ce85dccd1f938.jpg

Imagem retirada do Pinterest

29
Mar18

Livros sobre feminismo

Tita Vicente

Eu tinha prometido esta espécie de review dos dois últimos livros que li porque acho que merecem um post só para eles. São sobre feminismo. São de uma mulher que é uma das vozes mais ouvidas do movimento feminista. São dois livros incríveis que nos ensinam muito.
Não se deixem levar por serem livros pequenos porque cada página está carregada de ensinamentos. E não existem palavras que eu diga que vos expliquem o quão bom o livro é. Quando acabei os livros fiquei com vontade de ler mais sobre o assunto, de conhecer mais, de me dedicar mais à causa. Acho que toda a gente independentemente de ser homem ou mulher deve ler estes livros porque a cultura não ocupa espaço e o saber não tem limites. E foi graças a eles que o meu gosto pela leitura cresceu e se intensificou o que os torna ainda mais especiais na minha vida. 

 

ep Outin Style!.png

Imagem criada através do Canva

24
Mar18

Acho que finalmente acertei

Tita Vicente

Pois como sabem - se não sabem já referi mil e uma vezes por aqui - não era uma grande fã de livros. Ler - livros ok? - não era a minha coisa preferida, mas isso mudou. Quando estagiei a minha editora disse-me que se quisesse ser uma excelente jornalista tinha de ler mais, de me interessar mais e isso mexeu comigo. Não gosto de ideias predefinidas, mas confesso que esta tem um pingo de fundamento e razão para uma pessoa que ambiciona ser jornalista. Por isso para 2018 tracei como meta para a mim ler 12 livros. A ideia seria ler um por mês, mas a verdade é que só este mês foram 3. Sim 3! (inserir mil e quinhentos foguetes por este milagre) 

A minha - sábia - editora disse que quando encontrasse um género de livros seria tudo muito mais simples e pois que esse milagre se deu. Descobri o que gosto de ler. Tenho pouca paciência para romances ou histórias assim mais lamechas. Mas amo ler biografias e histórias contadas por mulheres inspiradoras. Resumindo, girl bosses e feministas são o meu género de leitura. Livros sobre estes temas dão-me vontade de querer ler mais e mais e perceber mais sobre os assuntos. Ainda está para vir uma review dos últimos dois que li que acho que merecem um destaque do tamanho do universo e que mereciam ser lidos por toda a gente. 

Agora vou só ali pagar a fatura da Fnac que estão mais dois livros a caminho de casa. 

 

04d842d19c1d5db4064d9831beb89838.jpg

 Imagem retirada do Pinterest