Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hela | Moda e tendências

Um olhar diferente sobre a moda. ✨ Aqui falamos de moda, tendências, opiniões e muito mais.

08
Dez19

Domingo de ronha #1 | Um spin off de "O sexo e a cidade"

Durante o mês de dezembro vou dar-vos sugestões de séries e filmes.

Tita Vicente

É dezembro, está tudo a pensar no Natal e vocês sabem que a maioria dos criadores de conteúdo nesta altura tentam produzir ainda mais conteúdos para os seus blogs, canais, etc. Ora eu não sou exceção. Quando pensei nisto, inicialmente fiquei confusa, pois eu já escrevo aqui 6 dias por semana, ou seja, é muito conteúdo! O único dia que tenho de folga é o domingo que para mim é sinónimo de ronha, sobretudo nesta época em que está mais frio. E o frio vai bem com que? Com mantas, chás quentes e filmes! Vai dai, decidi que o post de domingo seria uma recomendação de um filme ou série.

Durante os quatro domingos do mês de dezembro, irá sair sempre às 11h da manhã uma sugestão para que vocês possam assistir. Vou dar-vos opções ligadas ao mundo da moda, que eu já assisti e que amei.

Ora a primeira sugestão é uma das minhas séries preferidas: The Carrie Diaries. A série baseia-se na possível juventude da Carrie Bradshaw da série “O sexo e a cidade”, mas numa versão mais light e mais curta. Os cenários são lindos, a personagem principal é adorável e nem sequer vou falar do guarda roupa porque não existem palavras.  A série conta com duas temporadas apenas, ou seja, isto vê-se num instante. Se gostam de “O sexo e a cidade”, por favor, vejam esta série porque eu tenho a certeza que vocês vão amá-la tanto quanto eu.

 

transferir.jpg(Imagem retirada do Google)

O que acharam desta rubrica? Já conheciam esta série?

31
Mar18

Display Night | Mais uma da saga: toda a gente já viu

Tita Vicente
Vamos falar de uma série que toda a gente já viu: Stranger Things. Confesso que mal a série saiu e se tornou conhecida fiquei com curiosidade de a ver, mas não fazia muito o meu género e o facto de ser de suspense me deixava um pouco sem vontade. No entanto fiz um pacto com uma amiga de que se ela visse La Casa de Papel eu via a única série que ela tinha gostado: Stranger Things. Ela cumpriu a parte dela e eu estou a fazer a minha.
Confesso que achei os primeiros três episódios bem aborrecidos, sem grandes desenvolvimentos, mas já estava à espera porque a minha amiga me tinha avisado. Passado esses três episódios gostei muito da série. É algo diferente do que eu costumo ver, mas gostei bastante.
Já viram ou têm curiosidade em ver?

 

7583307542858efe4f34476eacefd79b.jpg

Imagem retirada do Pinterest

20
Jan18

Display Night | 9-1-1

Tita Vicente

Quando falei de Mindhunter pediram-me que falasse de mais séries dentro daquele género. Não quero falar aqui das "básicas" que toda a gente conhece porque o intuito é dar a conhecer séries novas ou pelo menos pouco conhecidas do público em geral e não as clássicas que passam/passaram na televisão. 

9-1-1 é uma série nova que está a ser transmitida em Portugal na Fox. Confesso que, como sempre, não estou a seguir a série na televisão, mas sim na internet. Já vi os dois primeiros episódios que sairam e confesso que gostei muito. Cada episódio aprensenta um caso de uma emergência e todo o processo seja dos auxiliares que atendem as chamadas telefónicas de emergência ou da corporação de bombeiros. A série está muito bem construida e os personagens nota-se que terão um desenvolvimento gradual ao longo dos episódios. Logo desde o início são revelados pormenores da vida de cada um dos personagens que acredito serão influenciadores nos futuros episódios de desenvolvimento da história. 

Acaba por ser uma série interessante também se pensarmos que podemos sempre aprender algo dali, por exemplo, como reagir em certas situações de emergência que nos possam surgir. Lembro-me que quando a minha avó faleceu e eu liguei para o 112 e a senhora me perguntou se sabia fazer o suporte básico de vida e respondi que não ela rapidamente retorquiu dizendo que era exatamente como nos filmes que já devia ter visto. 

Acredito que se esta série tem tudo para se tornar um dos clássicos da televisão comtemplados com mais de cinco temporadas. E desse lado já alguém assitiu ou ficou curioso para ver?

 

 Imagem retirada do IMDB

16
Jan18

Revolta é a palavra mais adequada

Tita Vicente

Era a minha segunda série para iniciar em 2018, depois de ficar novamente orfã de séries, ontem foi o dia escolhido para o fazer. The Handmaid's Tale. Depois de uns longos, infinitos mesmo 57 minutos acabei o primeiro episódio e constatei que tudo o que tinham dito era verdade. Primeiro, é preciso ter uma paciência de santo para assistir pelo menos eu precisei para não esmurrar o computador à primeira barbaridade que ouvi da Tia Lidia. Segundo, tenho a certeza que é daquelas séries que não vou conseguir ver mais do que um episódio por dia e nem é por ter episódios "compridos" é porque não tenho estofo mental para tanta estupidez. 

A esta altura do campeonato já toda a gente deve ter visto a série - menos eu claro que andei ocupada de mais com tudo o resto - mas mesmo assim não quero dar spoilers sobre o assunto. O que é que posso dizer então? Que ao fim de um episódio já sentia uma revolta gigante dentro de mim. Mas quem é que raio se iria lembrar que seria giro voltarmos aos tempos antigos em que as mulheres não tinham direitos? E caso isto acontecesse, as mulheres que não podem procriar não se lembram das suas vidas "passadas"? A verdade é que fiquei até com algum nojo, diria eu, de certas personagens só de pensar que podem existir pessoas por ai com a mentalidade igual à delas. E os diálogos? Aquelas respostas programadas que elas devem dar. Para uma pessoa como eu, com as crenças religiosas a roçar no -100, só me deu ainda mais raiva 

É uma série feita para chocar o espetador e, sem sobra de dúvidas, que faz muito bem o seu trabalho de terapia de choque. Depois do episódio e de me deitar no conforto da minha cama fiquei no mínimo meia hora a matutar sobre o assunto e a perceber a sorte que tenho pelos direitos que tenho. 

 

Imagem retirada do IMDB 

 

(PS: Ainda assim gostava de falar com a autora só para tentar perceber como é que raio um dia acordou e pensou que o mundo poderia ser assim?)